Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
FacebookFacebook
análise

EA Sports UFC

Infelizmente, não é a estreia da EA à frente de UFC que esperávamos.

Publicidade:

Enquanto jogávamos este EA Sports UFC, o primeiro jogo de UFC desde que a Electronic Arts adquiriu a licença, não conseguimos deixar de pensar em UFC Undisputed 2010, da THQ. Não que seja um jogo fantástico ou intemporal, longe disso, mas na nossa opinião ainda é o jogo que melhor recria este desporto.

A produtora responsável pelos UFC da THQ, a Yuke, foi sempre criticada pelas animações quase robóticas dos lutadores. A Yuke era também a produtora dos jogos da WWE, que foram alvo de críticas semelhantes. Isto leva-nos ao anúncio de que a EA tinha adquirido a licença de UFC e que a produtora seria a mesma do excelente Fight Night. Descontentes com a falta de evolução dos jogos da Yuke, ficámos naturalmente entusiasmados com o anúncio.

Publicidade:

Logo a partir do anúncio, foi-nos prometido o melhor grafismo de sempre num jogo de desporto, além de um sistema de combate que seria dinâmico, suave e fluido. Desde então fomos bombardeados com imagens, vídeos e recentemente, uma demonstração jogável. Infelizmente, depois de mais de nove horas com o jogo, só podemos afirmar que o resultado final é uma desilusão. Mais, se nos perguntarem, UFC Undisputed 2010 continua a ser superior.

EA Sports UFC

Mas, em abono da verdade, convém referir que o desporto das "Mixed Martial Arts" deve ser extremamente difícil de simular. O desporto em si, para quem não o conhece, é muito complexo e não é por acaso que tem a alcunha de "xadrez humano".

Os atletas mais bem sucedidos de UFC costumam dominar estilos de combate como boxe, kickboxing, judo, karaté e outras modalidades semelhantes. Estrelas como Georges St-Pierre, Demetrious Johnson, Jose Aldo, Cain Velasquez, Jon Jones e Uriah Faber misturam estes estilos ao ponto de criarem um desporto incrivelmente técnico.

Para produzir um sistema de jogo que permita ao jogador começar com um pouco de boxe e - de forma fluida - passar para alguns bloqueios e depois tentar uma submissão, é necessário um sistema bem mais exigente do que simplesmente lidar com boxe, por exemplo. Assim é evidente que houve uma dificuldade na transição desde Fight Night.

Para começar, o sistema de combate de EA Sports UFC não só é semelhante ao que era utilizado pela Yuke, como tem alguns elementos negativos. Em resumo, os quatro botões principais controlam os quatro membros dos lutadores. O analógico direito controla segmentos como os momentos de wrestling e jiu-jitsu.

Infelizmente, esta última parte - dos agarrões e submissões - é realmente desapontadora. É tudo muito trapalhão e eventualmente vão começar a tentar ignorar toda essa componente do combate. Quando a luta passa para o chão, tudo se resume a rodar o analógico direito como um louco, até acionarem um dos mini-jogos que a EA introduziu. A ideia até nem é má de todo, mas falta-lhe o entusiasmo que os combates reais normalmente transmitem.

Para fãs do desporto, é difícil recomendar este jogo em termos de recriação da sua base, e para amantes de beat'em ups, o sistema será simplesmente curto em termos de feedback e ritmo. Quanto aos que, mesmo assim, pensam em percorrer o modo carreira, tudo o que vão encontrar é um modo monótono e vazio. Por outro lado, os que pretendem antes jogar com amigos, vão provavelmente abandonar o jogo depois de perceberem como o sistema de combate é perro. Sim, claro que podem fazer alguns combates interessantes, mas não existe qualidade suficiente para manter o interesse durante muito tempo.

EA Sports UFC

Em termos gráficos, EA Sport's UFC tem alguma qualidade, mas está longe dos destalhes foto-realistas que nos foi sendo prometido ao longo do tempo. Pior ainda, as animações não são fluidas o suficiente. Sinceramente, as diferenças entre UFC Undisputed 3 para a PS4 e EA Sports UFC, para a PS4, não são suficientes para justificar um jogo que é exclusivo de nova geração. Mas nem tudo é mau. Joe Rogan e Mike Goldbeg fizeram um trabalho fantástico nos comentários dos combates, sempre entusiasmados. Sim, acaba por existir alguma repetição, mas é provavelmente o melhor do jogo.

Esperávamos mais, mas EA Sports UFC está simplesmente muito longe da simulação do desporto de artes marciais que esperávamos. Falta-lhe personalidade, equilíbrio e polimento. Se calhar, com mais um ano de produção, EA Sports UFC poderia ter sido algo de especial. Como está, é simplesmente dispensável.

05 Gamereactor Portugal
5 / 10
+
Licenças do desporto e dos lutadores. Comentários fantásticos.
-
Sistema de combate sem inspiração. Graficamente não é tão bom como prometido.
Publicidade: